Desde 2002

Seu Guia para Viajar, Trabalhar, Morar ou Estudar na Austrália

Austrália

Home  Mapa do Site   Anunciar

  English
  Español
Austrália Cidades Estudar Turismo Trabalhar Onde ficar Vistos Diversos
Tópicos Austrália:
  Artes
  Bancos
  Carros
  Comida
  Comunicações
  Custo de Vida
  Economia 
  Esportes
  Governo
  Hábitos
  História
  Hobbies
  Jeito de ser
  Leis
  Os Aborígenes
  Os Imigrantes
  Padrão de Vida
  Segurança
  Seguros
  Transportes

 

 

Link Patrocinado

Os Europeus
 na
Austrália

 Chineses e Asiáticos já tinham aportado na Austrália inúmeras vezes no século XV, muito antes de qualquer europeu botar os pés na Terra Australis. Vinham mergulhar para coletar pepinos do mar que eram iguaria na época, pois parece que o pepino do australiano era maior do que dos chineses. Espanhóis também já haviam perambulado pelo Sul da Nova Guiné, mas não se sabe se desceram em terra no Cape York ou não, tanto que o Estreito de Torres deve o nome ao não menos intrépido navegador, Luis Vaez de Torres, si como no?! Nessa época a população da Austrália era composta por cerca de meio milhão de Aborígenes, uns 10 milhões de Cangurus, umas 5 milhões de Coalas, 2 milhões de cobras venenosas, a mesma quantidade de largatixas, além de zilhões de periquitos muito barulhentos. 

Depois do Holandês Abel Tasman ter vindo duas vezes à terra que chamou de Van Dieman's Land (hoje Tasmânia) e o Inglês Willian Dampier voltou para a Inglaterra falando mal da Austrália (tudo deserto, mulheres feias, etc..), a Inglaterra perdeu o interesse pela Austrália, e por mais de 70 anos tanto os Aborígenes, Cangurus, e cobras venenosas continuaram se comendo alegremente. Até que, muito sorrateiramente, o francês Marion Dufresne (Le intrepidô) começou a botar olho grande na parte Oeste da Austrália. O Capitão Cook já tinha clamado a parte Leste, tendo inclusive mapeado a costa e parte do interior, além de ter dado nome aos bois, chamando a área da Botany Bay em New South Wales. Só que a coisa parou por aí, e a Austrália ficou abandonada até mais ou menos o ano de 1786 quando alguém na Inglaterra teve a idéia de mandar prisioneiros e obrigá-los a trabalhar na marra. A Colônia, (ou o início dela), tinha que ser auto-suficiente, não dar despesas, e nem encher o saco da Inglaterra, ou seja, vai para lá e se vira.

O desastre estava montado, pois ninguém estava afim de trabalhar. Os Aborígenes, saíram para terras mais ao norte, e os prisioneiros só queriam biritar. A Northfolk Island virou uma espécie de prisão de segurança máxima pra galera da preguiça, até que trocaram os "Mariners" pelos chamados "New South Wales Corps". Uma das funções desses novos governantes, era a de controlar a birita e o comércio de Rum. Ou seja, se trabalhou tem goró, caso contrário bebe água salgada mesmo. Mais uma vez mudou o governador, e William Bligh (o malfadado Capitão do Bounty) foi colocado no cargo e logo depois botado para fora com a chamada "Rum Rebellion" em 1808. Essa revolta da birita se deu porque a galera do andar de baixo achou que a elite estava entornando demais e deixando só um pouquinho para eles. Com isso, pediram o copo do governador, digo, destituiram o governador. Lachlan Macquarie, o novo governador levou a coisa no chicote, e com mão de ferro conseguiu governar e progredir a colonização por mais 21 anos adiante. Ainda traziam prisioneiros, mas a leva agora era de gente com com penas mais leves, como ladrões de galinhas e prostitutas tarimbadas "- Vai dar lá na Austrália, os Ingleses falavam). O fato é que essa turma não tinha habilidade em nenhuma profissão (fora as prostitutas) e por isso tudo demorava demais para ser construído, a não ser os bordéis. As casas saíam tortinhas, completamente fora de esquadro, principalmente depois de um monte de garrafas de Rum.

Mas os franceses ainda estavam de olho na Austrália, e por isso era imperativo para Inglaterra desbravar o continente e formar novas vilas e cidades o mais rápido possível. A ordem era de se embrenhar continente adentro e colonizar. Morreu muita gente nessa tentativa por não saber que saindo área da linha da costa da Austrália, tudo vira um deserto só. Dos que escaparam, John Forrest e Ernest Giles são considerados heróis da colonização, pois conseguiram ir de um lado ao outro da costa sem virar camarão defumado (mais de 4000 Km atravessando desertos). Uma vez sabendo como era a Austrália, muitas outras expedições foram montadas bem como mapeamentos eram feitos para a construção de portos em diferentes partes do país. Com esses portos, vieram as capitais de cada colônia, até que se tornaram cidades. Nesse meio tempo, o preço da Lã no mercado internacional ficou 41 vezes mais caro, e com isso uma quantidade enorme de criadores Ingleses resolveu se mudar para a Austrália para criar carneirinho. A fantástica tecnologia de ponta da época, descobriu o navio refrigerado, e isso permitiu a exportação das deliciosas ovelhas para ávidas bocas pingando em todas as partes do mundo. Em seguida, muito ouro foi descoberto em vários locais da Austrália, chamando a atenção mundial. O fato passou a atrair aventureiros de olhos esbugalhados, provindos de todas as partes do mundo, não somente europeus, mas novamente os asiáticos. Nesse estágio a Austrália já tinha moradores, governantes e economia, ou seja, já estava colonizada. 

Nota: A continuação cronológica dessa página encontra-se nesse mesmo tópico na opção Imigrantes e alguns outros fatos importantes estão na página de história.

Luizão quando chegou na Austrália já encontrou forte concorrência.
Google Web Portal

 

 

 

 

 | Termos de uso Privacidade | Quem somos | Consultoria | Curriculum Vitae | Anunciar | Contatos |

© Portal Oceania.com - Todos os direitos reservados - É vetada a reprodução de textos e fotos sem autorização.